Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Ações do NEABI abordam temas étnico-raciais
Início do conteúdo da página Notícias

Ações do NEABI abordam temas étnico-raciais

Atividades desenvolvidas no decorrer do semestre letivo promovem o debate e propiciam a integração entre a comunidade do Campus
  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 16/05/2022 11h07
  • última modificação 16/05/2022 11h07

 

Com a proposta de fomentar o debate institucional sobre questões étnico-raciais através de espaços coletivos, o Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI local) do campus do IFMA em Santa Inês vem desenvolvendo atividades no decorrer do atual semestre letivo (2022.1).

A primeira ação foi a elaboração, submissão e aprovação do projeto de extensão intitulado “Cine-Neabi: Decolonizando o Pensamento”, concebido a partir de referencial teórico dos Estudos Decoloniais. Seguindo o planejamento do projeto, no início de abril foi realizada a sessão de estudo interinstitucional do livro “Memórias da Plantação” da artista plástica e psicanalista portuguesa Grada Kilomba. Além de professores do Campus Santa Inês, a atividade teve a participação do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhã (IEMA), Unidade Plena Pindaré-Mirim. Os participantes debateram sobre o primeiro capítulo da obra, intitulado “A Máscara”, que retrata sobre colonialismo, memória, trauma e descolonização, simbolizando políticas sádicas de conquista e dominação e seus regimes brutais de silenciamento dos negros escravizados no período colonial, semelhante ao tratamento destinado aos povos indígenas escravizados a partir da invasão de seu território.

No dia 07 do mesmo mês, o cine-debate realizou no IEMA Unidade Plena Pindaré-Mirim a exibição do documentário “Guerras do Brasil”, episódio que conta a invasão e colonização do Brasil, a chegada dos portugueses nas praias brasileiras em 1500 e sua relação com os índios que ocupavam este território há milhares de anos: a evangelização, dominação, exploração e resistência indígena. A produção permite à audiência perceber a forma como a população indígena foi dizimada ao longo da história, seguindo na luta pela demarcação de terras até os dias de hoje. A sessão teve mediação de docentes do IFMA Campus Santa Inês – Nilvanete Lima, Lucas Silveira e Genilton Marques – e de antropólogos convidados do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) – Maria Suely Dias Cardoso e Carlos Lourenço de Almeida Filho. Estudantes e professores das unidades plenas do IEMA em Pindaré e Santa Inês aprofundaram cientificamente a discussão da disputa do território indígena e debateram com pensamento crítico essa guerra travada pelos povos originários para garantir sua existência e cultura até os dias atuais, num Brasil que segue em guerra.

Essa primeira etapa do projeto foi encerrada no dia 04 de maio, com a realização da “I Mostra Cultural: Descortinando o cotidiano e a resistência dos povos originários”, organizada e executada pelos docentes do Núcleo e neabinos, no pátio do Bloco A do Campus Santa Inês. Com o apoio da instituição foi possível contar com a colaboração das seguintes mulheres e líderes Guajajaras: Vanusa Guajajara, Jasmin Guajajara, Elaine Guajajara, Mirele Guajajara, e a menina Mayra Guajajara. A I Mostra Cultural NEABI IFMA Campus Santa Inês foi um espaço para apreciar a cultura e ressaltar a resistência indígena com exposição de painéis, estandes e imagens que caracterizassem o retrato da diversidade dos povos originários que habitam esse país e a região do Vale do Pindaré, organizada nos eixos listados abaixo.

1) Distribuição das nações indígenas no passado e no presente, com mapas demarcando o processo de genocídio dos povos originários no Brasil antes e depois da colonização;

2) Território e habitação, apresentando mapas que demarcavam os territórios dos povos originários da região;

3) Culinária Guajajara, com exposição das receitas e a ancestralidade dos povos originários da região;

4) Cultura e arte, expondo o artesanato indígena e pintura corporal;

5) Equilíbrio do corpo e bem-estar, com exposição de chás e ervas utilizadas na medicina tradicional dos povos originários.

Fim do conteúdo da página