Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Ex-aluna é selecionada para mestrado na Espanha
Início do conteúdo da página Notícias

Ex-aluna é selecionada para mestrado na Espanha

Juliana Protácio é egressa do Curso de Tecnologia em Construção de Edifícios e tem trajetória marcada por seleções para intercâmbios e viagens internacionais quando estudante do IFMA.
  • Com informações do IFMA Campus Santa Inês
  • publicado 19/08/2020 12h14
  • última modificação 19/08/2020 12h14

A ex-aluna do IFMA Juliana Protácio foi selecionada para o Programa de Mestrado em Ciência em Engenharia dos Materiais pela Universidade Carlos Terceiro, de Madri. A estudante, que se formou em 2019 no Curso de Tecnologia em Construção de Edifícios do Campus Santa Inês, ganhou bolsa por meio do Programa Fundação Carolina, que dá bolsas de mestrado e doutorado para pessoas da América Latina, Caribe e México.

Juliana Protácio na Holanda, em 2015, em visita técnica durante intercâmbio na Universidad del País Vasco.

Como estudante do IFMA, Juliana Protácio dos Santos participou de processos de intercâmbio e viagens internacionais. Em fevereiro de 2018, teve a oportunidade de apresentar pesquisa no 3º Congresso Luso-Brasileiro de Materiais de Construção Sustentáveis (CLBMCS), na Universidade de Coimbra. Em novembro do mesmo ano, foi selecionada para o maior festival de estudantes do mundo The Internation Student Festival in Trondheim” (ISFiT), na cidade de Trondheim, na Noruega.

Leia também

Estudante é selecionada para festival na Noruega

Alunos do IFMA apresentam pesquisa em Portugal

Juliana Protácio (a segunda da esquerda para a direita) se formou pelo IFMA em 2019.

Juliana Protácio não parou por aí e, logo observando os editais internacionais, inscreveu-se na convocatória de bolsas de estudos correspondente ao curso acadêmico 2020-2021 da Fundação Carolina. Na seleção da qual participou a estudante, a entidade ofereceu 822 bolsas alinhadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU e distribuídas nas seguintes modalidades: 237 bolsas de pós-graduação; 96 bolsas de doutorado e estadias curtas de pós-doutorado; 61 bolsas de mobilidade para professores e 302 bolsas de estudos institucionais. No total, foram 193 programas acadêmicos participantes, dos quais 122 foram de pós-graduação. Além da oferta da vaga, o programa contemplava a bolsa de mestrado integral, com seguro saúde, passagem área e ajuda mensal fornecida pela Fundação Carolina. Confiante, a estudante fez sua inscrição e, para sua surpresa e grande realização, foi selecionada.

IFMA Campus Santa Inês – Como funcionou o processo?

Juliana Protácio – Um processo concorrido, levou 15 dias para preencher e concorrer ao mestrado, se preparando e colocando tudo que havia feito na sua vida acadêmica. O candidato também precisava fazer uma carta relacionada aos aobjetivos da ONU, voltados aos ODS, uma carta com cinco laudas com objetivos a curto, médio e longo prazo. Relatei sobre minha vida de escola pública, sobre o IFMA e sobre as oportunidades que a educação me proporcionou. Depois tive que relacionar os objetivos ODS com a bolsa de mestrado, relacionando os tópicos. Dentre os questionamentos da análise para a seleção, foram questionadas três coisas que a orgulhavam muito: entrada na universidade, a única e primeira da família a ter essa oportunidade; minha formatura muito esperada; e a experiência na Noruega, de ter parcipado do Ciências sem Fronteiras e do ISFT. Em março ainda, enviei os dados e comecei a orar muito pedindo muito a Deus. O que eu mais queria era esse que iria me oportunizar uma bolsa integral no mestrado, que se dá na lingua espanhola, aulas diárias, 10 meses de duração. Recebi um e-mail dizendo que fui selecionada para uma entrevista. [Desde a seleção para a entrevista] já fiquei emocionada e sem acreditar, em imaginar que estava concorrrendo com gente de todo o mundo.

IFMA Campus Santa Inês – Por que você acha que foi selecionada?

Juliana Protácio – O meu diferencial seria que a bolsa não seria só para a Juliana, seria para muita gente, seria para o Instituto Federal do Maranhão, um campus pequeno, para um curso que ainda não é reconhecido, infelizmente; é para minha comunidade pequena, para minha família e principalmente para minha mãe, que sempre acreditou em mim. E minha maior intenção é proporcionar moradias para as pessoas, um lar, um aconchego para onde voltar, ainda mais diante desta pandemia. Quero pesquisar materiais sustentáveis e mais baratos para que essas pessoas possam construir suas casas. Seguir pesquisando acreditando que as pessoas, de fato, podem mudar a vida dessas pessoas ao nosso redor.

IFMA Campus Santa Inês – Quem você admira?

Juliana Protácio – Minha mãe, que não connhecia outra pessoa no mundo para eu adminrar, mesmo não tendo estudado, apoiou sempre os estudos dos filhos, uma mulher feminista, que acredita nos direitos, na igual de genero, no poder da educação, que podemos fazer a diferença no mundo (emocionada).

IFMA Campus Santa Inês – O que a orgulha?

Juliana Protácio – Ter desenvolvido tantas pesquisas no Instituto, como as casas de Taipas, com a professora Michele [Michele Joyce Pereira dos Santos] e meu colega Cesar [Francisco César Mendes Pinheiro]. A partir daí eu poderia pensar e descobrir formas para ajudar a vida das pessoas, e através do ISFT percebi que conseguiria ajudar as pessoas.

IFMA Campus Santa Inês – A entrevista ocorreu em maio deste ano e o resultado da seleção saiu em 7 de julho. Como você recebeu a notícia?

Juliana Protácio – Soube através de e-mail que fui selecionada. Fiquei sem acreditar, emocionada, em imaginar que isso representa uma vitória para mim, para minha família, para o Instituto, para nosso curso, que nossos colegas possam acreditar que nosso curso existe e que podemos fazer a diferença.

Sobre a Fundação Carolina

Fonte: https://www.fundacioncarolina.es/

A Fundação Carolina foi criada no ano 2000 como uma instituição para a promoção de relações culturais e cooperação educacional e científica entre a Espanha e os países da Comunidade Ibero-americana de Nações. Em 20 anos de história, construiu uma sólida trajetória em mobilidade acadêmica. Nesse período, já concedeu mais de 18 mil bolsas e ajudas de pesquisa, índice que coloca a Fundação Carolina como referência entre órgãos de cooperação atuantes no âmbito ibero-americano. Além de trabalhar para a criação de um espaço de conhecimento ibero-americano, a Fundação Carolina é uma ferramenta de diplomacia pública, cujo objetivo é alcançar um melhor conhecimento mútuo entre a América Latina e a Espanha. Da mesma forma, é uma associação público-privada, financiada por instituições espanholas de alcance no exterior e empresas privadas com atuação na América Latina.

registrado em:
Fim do conteúdo da página